Abril 2016

Este cachepot já pertenceu à mãe do Eme, veio cá para casa há uns anos e já abraçou muitos vasos com plantas diferentes. No outro dia, olhei para ele com aquele olhar de quem lhe vai dar um destino final. Achei que já tinha tido o seu papel nesta casa, estava velho e estragado - a base a soltar-se, o alumínio muito amassado...

Um dia, em casa da minha avó, resolvemos remexer a sua gaveta de naperons e, como já não os utilizava, a Mimila ofereceu-me alguns, na certeza de que eu faria bom uso deles. Na realidade, lembrei-me de que podiam ser aplicados em fronhas de almofada, tornando a minha avó sempre presente cá em casa. A minha mãe ofereceu-se para as fazer (já que o meu jeito para esta tarefa deixa muito a desejar...

Um destes dias, embora não tenha partilhado aqui, resolvi atirar-me ao closet (existe em português uma palavra para isto, que não roupeiro?). Desta tarefa saiu roupa para lavar, roupa para dar e roupa/acessórios para deitar fora. Cheguei à conclusão que partilhar o espaço da roupa de vestir com a roupa de cama e wc não me agrada. Conclusão: EME, PRECISAMOS DE UM ARMÁRIO PARA A ROUPA DE CASAaaa!!! Procurámos o armário ideal, procurámos e procurámos...

Sempre que os nossos pais, tios e amigos vêm cá a casa, já entram a perguntar: "Então, o que há de novo?" "Eh pá, isto está diferente!" - também é costume ouvirmos...