Julho 2018

Perguntaram-nos onde adquirimos os "candeeiros" das cabeceiras de cama da Impact House. São giros, não são? Apesar do estilo industrial, fazem-me sempre lembrar uma flor, um botão de rosa. Antes de mais, devo dizer que os tais "candeeiros" são gambiarras, daquelas que os mecânicos penduram nos capôs dos carros, ou como as que usávamos no campismo quando era miúda. As gambiarras que se encontram com mais facilidade são umas cor de laranja mas, depois de muita procura, consegui estas em preto e prateado, bem giras! Inicialmente, achámos que esta solução era boa para colocar iluminação junto a cada cama de cada beliche, em cima e em baixo, mas acabámos por utilizar apenas nos quartos individuais. Ora aqui está uma bela forma de iluminar a cabeceira da cama, mesmo não tendo instalação elétrica na parede, já que estas gambiarras têm um cabo bem comprido, que pode ser ligado a qualquer tomada. Não possuem é interruptor, pelo que comprámos uns à parte e instalámos no cabo elétrico. É um trabalho facílimo de fazer! Na cabeceira (de OSB) apenas enroscámos uns camarões a servir de suporte, e suspendemos a gambiarra de duas formas: ou por um gancho (que possui na estrutura metálica), ou pelo cabo, deixando-a "de cabeça para baixo". Poderão encontrar gambiarras como estas em lojas de ferragens, lojas de equipamentos elétricos ou até nas lojas chinesas (as tais cor de laranja), os tamanhos diferem ligeiramente e o preço pode variar entre os 13€ e os 18€. Estas encomendámos na Zalux, na Parede, e já comprámos mais uma para o quarto da Cá. Aqui fica mais esta ideia. Boas iluminações! Carlota ...

Uma das áreas que trabalhámos no projeto do hostel Impact House foi a iluminação dos quartos. Mais uma vez – e de acordo com o projeto – pretendíamos uma solução simples, criativa, amiga do ambiente e não muito dispendiosa. Um dos problemas nos quartos de grupo, com beliches, é que dificilmente poderíamos usar candeeiros suspensos e grandes abajures, devido à altura da cama superior; plafons também não eram viáveis, nestes tetos trabalhados. E também precisávamos de cortar a frieza da dimensão dos quartos e de criar um ambiente confortável, por isso, focos também não era solução que nos agradasse. Isto era o que lá estava, deixado pelos antigos moradores – uma série deles, todos do mesmo género: Ao subir as escadas do beliche éramos capazes de bater com a cabeça no candeeiro. E sentados na cama, ficávamos com ele quase em cima da cara. Depois de muito ponderar chegámos à conclusão que os quartos tinham mesmo que ter candeeiros suspensos mas com abajures bem mais pequenos. Aproveitaríamos os componentes elétricos e os candeeiros que já lá existiam (não muito bonitos à primeira vista, mas com uns acessórios engraçados, reparando melhor) e colocaríamos apenas novos abajures, divertidos e descontraídos (como os hóspedes deste hostel). E o que fizemos nós, então? Cestinhas de pão viradas ao contrário dão ótimos pequenos abajures! Arranjámos uma série delas (em palhinha, vime e outros materiais naturais), cortámos-lhes o centro e encaixámos no casquilho! O candeeiro ficou logo diferente! Antes parecia datado dos anos 80, agora parece uma suspensão algo boémia. Assim: São todos parecidos mas todos diferentes e parecem flores suspensas no teto, a surgir dos florões. Nada mais simples! Nada mais descontraído e boémio! Apenas devo acrescentar que cortar o centro dos cestos implica algum cuidado. Nós cortámos à máquina com uma serra craneana (com o mesmo diâmetro do casquilho) mas, alguns cestos não reagiram muito bem. O melhor será desenhar o molde no cesto com o casquilho e, depois, cortar com uma boa tesoura (ou tesoura de latoeiro ou da poda de ramos secos). Chapéus de palha também farão um efeito engraçado. Fica a ideia! Se gostaram coloquem um ♥ aí em baixo. Beijinhos e abraços! Carlota SaveSave SaveSave SaveSave SaveSave...

E aqui está o nosso trabalho do passado fim de semana – a substituição da velha vedação do jardim (em pvc e rede) por uma de madeira, mais bonita e natural. Fez tudo parte de um acordo com o vizinho, em que um fornecia os materiais e o outro a mão-de-obra. E correu tão bem, que resolvemos estender a outras zonas do jardim! Já antes tínhamos colocado vedação em madeira numa pequena área ao lado, que dava para a rua, mas foi tão trabalhoso que nos ficámos por esse pedaço. Desta vez, encontrámos no Brico Depôt esta, tão simples de fazer! Publicámos algumas imagens no Instagram e, como recebemos vários pedidos de informação, aqui fica o passo a passo como colocámos a nossa vedação no jardim   Primeiro, retirámos toda a velhinha vedação e colocámos um prumo de um dos lados do muro. Estes prumos são ótimos pois é onde encaixam, de forma muito simples, as ripas horizontais. Depois,  marcámos o sítio onde iria ser colocada a ferragem que segura os prumos seguintes e, como o muro não é direito (nunca são!), desbastámos um pouco, nivelámos e aparafusámos a peça. Em seguida, cortámos dois prumos com a altura pretendida e unimos um ao outro, aparafusando. Encaixámos na peça de metal, nivelámos, medimos, também, em cima com uma ripa horizontal, e aparafusámos os prumos. Presos os prumos, de um lado e do outro, é só ir encaixando as ripas horizontais. E vai-se fazendo assim até chegar ao final do muro. Altura em que se coloca o último prumo. Agora, as ripas horizontais terão que ser cortadas com a medida que resta. E chegámos ao final do muro! No entanto, reparem que o acabamento superior não é muito bonito, pois ficou com o encaixe das ripas visível e acima dos prumos (que tinham que ter a altura do portão e da vedação lateral). Então, cortámos o excesso da última ripa e boleámos, para um acabamento mais bonito. No entanto, também existem uns remates para colocar no final, caso pretendam. No final, envernizámos com verniz de exterior, na cor mogno...

Forrar uma parede com cortiça parece mais simples do que, na realidade, é e não é tão complicado quanto parece. :-D Será que me faço entender? Passo a explicar: este projeto pode parecer (e até é) simples, mas há que ter alguns cuidados senão torna-se uma dor de cabeça! Por outras palavras: não é nada complicado se fizermos da maneira certa. Mais claro, agora? Paredes forradas a cortiça estão na moda e nós aprovamos! A cortiça é um material natural, reutilizável e reciclável. É fruto da casca do sobreiro, a qual se renova a cada nove anos sem causar qualquer tipo de dano à árvore. É leve, impermeável a líquidos e gases, elástica, de combustão lenta e um excelente isolante térmico e acústico. Para além disso, é um material bonito, com um bom toque e "quentinho". Só por curiosidade, Portugal possui a maior área do mundo de Montado de sobro e este é património nacional, estando legalmente protegido desde a Idade Média; A acrescer a este facto, a cortiça é um forte factor de desenvolvimento social e económico para os países do Mediterrâneo Ocidental, oferecendo emprego a milhares de pessoas. Posto isto, e já que está na moda, vamos partilhar como fazemos a sua aplicação em parede, pois é coisa que já aprendemos a fazer, após cometermos alguns erros.   Como forrar uma parede com cortiça? Materiais necessários: - rolo ou placas de cortiça - espátula - cola de contacto (em lata) O ideal é trabalhar com várias peças - por tiras, ou com placas pequenas,...

Para quem não teve oportunidade de frequentar o último workshop de Organização, no dia 15 de abril entre as 15h e as 18h, lá estarei, no Homy Pop Market, no Mercado de Cascais, para mais uma partilha de tudo o que tenho vindo a aprender (e a aplicar!) nos últimos anos acerca deste tema. Neste workshop, vamos falar da importância de ‘destralhar’, vamos partilhar estratégias para organizar a casa, ideias de arrumação que nos ajudam a mantê-la organizada e conhecer algumas soluções que facilitam o nosso dia-a-dia.     Sim, vamos divertir-nos a "trabalhar" para uma casa (e uma vida) mais organizada! ;-) Mais informações e inscrições aqui. Carlota...

Destas ideias é que eu gosto: aproveitar o que já temos e dar-lhe ares de que acabou de ser adquirido numa loja gira! Depois de tudo o que destralhámos nos últimos tempos, adquiri o hábito de pensar primeiro numa solução de reaproveitamento antes de adquirir algo novo, desnecessariamente, cá para casa. Foi o que aconteceu com a jarra de vidro que hoje partilho aqui. Depois de ver esta garrafa da Zara Home – tão gira! – numas fotografias do catálogo, achei que podia facilmente fazer algo parecido, numa jarra um pouco sem graça, com as sobras da napa que utilizei para fazer esta prateleira suspensa. E como, esta semana, deitaram abaixo uma árvore aqui da rua, e eu lá fui (claro, não me contive!) recolher um ramo para colocar na "nova" jarra, cheguei à conclusão que era dever cívico partilhar tanta beleza que juntos deram à nossa sala. A jarra (renovada) já tem andado por aqui e posso dizer-vos que, tanto no quarto como na sala, fica adorável! Há dias partilhei umas fotografias em que aparecia no nosso quarto de casal e, como chamou a atenção, achei que deveria dar-lhe o devido destaque com um artigo só para ela e – quem sabe – inspirar-vos a fazer uma também.   Jarra de vidro e napa   Tudo o que precisei para fazer este DIY: a dita jarra (que pode ser um frasco, ou vários de diversos tamanhos, ou uma garrafa,...