Parede móvel

Parede móvel

Linda esta parede, não?
Esta semana terminámos um dos projetos mais apetecíveis para o atelier, uma parede. Não uma parede qualquer, em tijolo ou pladur, mas uma parede móvel. E para quê uma parede móvel, perguntam vocês. Sim, nós já construímos uma parede fixa (para quem não se lembra, podem vê-la aqui), mas não queríamos construir outra, para ter o espaço amplo sempre que quisermos. É que, por vezes, precisamos de resguardar uma ou outra zona do espaço e não queríamos nada fixo, nada definitivo. Queríamos algo do tipo biombo, que pudéssemos arrastar para onde fosse preciso. Por outro lado, precisávamos também de um cenário para fotografar os nossos trabalhos, algo que se pudesse mover para apanhar a melhor luz e ajustar-se ao objeto (por vezes grande) e decidimos, então, fazer esta estrutura com rodízios.

A ideia andava por aqui há imenso tempo, mas decidimos meter mãos à obra quando descobrimos os papeis de parede mais giros de sempre! Tão giros que, em vez de uma, resolvemos fazer duas paredes destas, uma para o andar de cima e outra para a oficina, com duas faces diferentes cada uma.
Mandámos vir os papeis daqui:  Papel de Parede dos Anos 70  – e estamos rendidos à sua qualidade!… e beleeeezaaaa!
Estes são os dois papeis da parede do andar de cima, do atelier:

Digam lá que não fazem um fundo espetacular! E sabem que mais? Têm certificação ecológica.

Escolhemos dois estilos diferentes – um mais colorido, com um grafismo que nos permite usá-lo para peças mais infantis; o outro mais minimalista, de pinceladas monocromáticas que, ao longe, até fazem lembrar páginas de livros –, mas era capaz de vos dizer uns TRINTA que gostaria de comprar aqui para o atelier!

O nosso projeto começou assim e, desde o primeiro desenho, muito aprendemos!

Inicialmente, achámos que a base tinha que ser em caixa para esconder as rodinhas e suportar a altura do painel – uma caixa maior de um lado (que até pudesse servir para arrumação) e outra menor do outro.
E este foi o primeiro biombo que fizemos:

Mas foi preciso chegar quase ao final para perceber que, apesar de se mover bem (com os rodízios), estava pesadíssimo e enorme e jamais conseguiríamos levá-lo para o andar de cima. 😀
Ficou, então decidido que este é o que servirá a oficina. E, sobre ele, voltaremos a falar mais tarde.
Quanto ao segundo biombo, bem mais leve, funciona lindamente com a nova base que fizemos, tem a estabilidade necessária e foi facílimo de forrar com os papeis de parede.

Posto isto, quando quiserem fazer uma parede extra numa qualquer divisão lá de casa, no escritório ou na garagem, quando quiserem “esconder” um cantinho, e o vosso companheiro/a disser que nem pensar nisso, aqui fica esta ideia bem mais simples e rápida de executar… e de os convencer! ;-b E se os deixarem escolher o papel de parede, mais simples ainda! (Se forem onde nós fomos, não tem nada que enganar, vem papel lindo na certa!)

Esperamos que este artigo vos venha a ser muito útil.
Nós continuaremos a partilhar os usos que vamos dando a estas paredes lindas.
Se gostaram, coloquem um ♥ aí em baixo, para nós sabermos.
Sendo assim, bejufas e abraços,

Carlota

2 Comentários
  • Anabela
    Publicada às 12:41h, 26 Abril Responder

    Que ideia fantástica. Adorei tanto que vou partilhar. Bjs

  • Emilia Nazareth
    Publicada às 14:00h, 26 Abril Responder

    Genial! Parabéns!

Publicar Comentário