Decoração

Ontem foi Dia da Mãe ♥. Nas redes sociais foram revelados os milhões de postais, desenhos, poemas e mensagens que os filhos ofereceram às suas mães. Pois, ainda na sequência do post de há uns dias, aqui está uma forma de valorizar os miminhos que as nossas crianças criam com empenho e nos entregam com carinho! Na nossa casa, entre fotografias de momentos que nos deixam felizes e obras minhas e de outros artistas que admiramos, estão as obras da Ca. Em pormenor (em baixo) pode mesmo ver-se as mais pequeninas de todas: os nossos retratos desenhados em post-it, que fez há uns anos, e que coloquei em moldurinhas à medida, bem pequeninas, e que nos obrigam a chegar perto e esticar o pescoço para as ver melhor. Em cima, são as molduras mais pequeninas. Tão docinha...

Este cachepot já pertenceu à mãe do Eme, veio cá para casa há uns anos e já abraçou muitos vasos com plantas diferentes. No outro dia, olhei para ele com aquele olhar de quem lhe vai dar um destino final. Achei que já tinha tido o seu papel nesta casa, estava velho e estragado - a base a soltar-se, o alumínio muito amassado...

Um dia, em casa da minha avó, resolvemos remexer a sua gaveta de naperons e, como já não os utilizava, a Mimila ofereceu-me alguns, na certeza de que eu faria bom uso deles. Na realidade, lembrei-me de que podiam ser aplicados em fronhas de almofada, tornando a minha avó sempre presente cá em casa. A minha mãe ofereceu-se para as fazer (já que o meu jeito para esta tarefa deixa muito a desejar...

Após uns dias chuvosos – que o nosso jardim agradece e nós também! – parece que no domingo o sol já vai espreitar, iluminando os nossos corações -> Dia dos Namorados, não esquecer. Namoradas, se eles não vos oferecerem flores, não tem nada que saber, façam como as mulheres da minha família, comprem-nas vocês e depois digam que é prenda deles! Todos ficam felizes ♥ Deste modo, com ou sem namorado/a, deixo aqui uma boa sugestão (experimentada) para o fim de semana: ir ao mercado e comprar umas florzinhas lindas e cheirosas para animar os nossos dias. Terapia garantida, acreditem! No passado sábado fui ter com uma amiga a Alcântara. Enquanto fazia tempo resolvi entrar no mercado, já com a fisgada de trazer flores para a casa. Nunca fui grande coisa nos arranjos florais, "mas umas flores bem bonitas nem precisam de arranjo", pensei. Já não comprava flores há anos, maldita crise!, e sempre gostei deste ritual de sair cedo de casa ao sábado de manhã e ir ao mercado. Fi-lo em Alcântara, mais tarde quando vivia no Saldanha, depois na Amora...