Arrumação

♦ Destralhar todos os dias ♦  No domingo, primeiro dia do ano, pegámos na máquina fotográfica, num papel e numa caneta e fizemos uma incursão pela casa. Este ano, queremos ser mais organizados e remar mais em conjunto no que toca a cumprir objetivos. É que o ano passado fomos andando ao sabor do vento e consoante as marés...

Aqui fica a forma como resolvemos organizar as toalhas de mesa - numa gaveta alta, perto da mesa de refeições, dobradas e colocadas em pé, para que possamos ver sempre todas. Ainda assim, falta resolver uma questão: a separação das "toalhas de ocasião" (bem maiores e utilizadas na sala) das toalhas de uso diário, mais pequenas, utilizadas na mesa da cozinha. Acho que as primeiras vão passar para o armário da sala...

Agora que já começamos a ter todas as toalhas de mesa e panos da loiça lavados, secos e passados, está na hora de os arrumar nas gavetas. E como? Comecei pelos panos de loiça. Não existe a maneira certa ou uma só técnica para os dobrar. Existem várias formas de o fazer (basta ver alguns vídeos no Youtube). O ideal é arranjar uma forma que nos permita arrumar de modo a que consigamos vê-los todos. Neste caso, fazer pilha não funciona. Eu experimentei várias formas de dobrar, até perceber qual era a ideal para o local onde os ia colocar, uma gaveta bem estreita, ótima para isto, por sinal. Experimentei tudo – dobrado em quatro, em envelope, em rolinho,...

Que dia lindo está hoje! Um quente e belo dia de sol em finais de outubro. De hoje para amanhã já muda a hora. Às duas da manhã poderemos colocar os relógios na 1h. Para nós, cá em casa, isso não significará que vamos dormir mais uma hora, pois não somos do género dorminhoco, e o Eme até já disse: "Ok, quer dizer que amanhã acordas às 5h." :-D Mas num fim-de-semana como este – que sabemos que não teremos muitos mais assim daqui para a frente – o que é que podemos e devemos fazer (para além de sair de casa, dar um passeio em família, tomar um cafezinho ao ar livre,...

Estou na fase mais difícil do destralhanço. Aquela em que temos que dizer adeus às coisas das quais gostamos, mas para as quais já nem olhamos. Não vale a pena manter uma coisa aprisionada connosco se não é utilizada ou valorizada, certo? Hoje disse adeus à minha impressora de tantos anos. Adorava-a, mas já usava muito pouco, cada vez menos...

... É o que me ocorre dizer depois de ver a nossa mais recente "obra". A ideia foi terminar o canto de estudo da Ca sem gastar muito, aproveitando os restos de contraplacado que havia cá por casa (que este mês já estamos para lá de fartos de gastos! Mês duro este, não? Inscrições nisto e naquilo, mais livros de leitura obrigatória, gramáticas e dicionários de línguas pedidos já depois das aulas começarem... nunca mais acaba...). Foi uma ginástica e tanto! Não estou a falar financeiramente (que essa também), mas conseguir fazer prateleiras jeitosas com os restos de madeira que tínhamos. Mas — como é que se diz? — a necessidade aguça o engenho, não é? E pronto! Nada como umas prateleiras em z para conferir mais graça ao canto, apoiar os livros à esquerda e à direita e solucionar o problema de conseguir chegar de um lado ao outro com placas pequenas. Cortámos, lixámos, envernizámos, colámos e pregámos. Foi então que eu disse: "Deixa estar, filha, que este fim-de-semana a mãe coloca as prateleiras." Foi então que ela disse: "Oh, my God!" Foi então que o pai disse: "Deixa estar, filha, o pai coloca." :-D Colocar as prateleiras foi outra ginástica e tanto!!!... Houve que pensar em distribuir, da melhor forma, forças e pesos, e os suportes que arranjei, em metal — tinham que ser mesmo simples e pequenos para não estragarem a estética — só consegui encontrar numa loja chinesa. Bom, houve praguejamento nesta casa!!! Porque não vinham com noventa graus, porque eram tortos, porque eram uma treta, porque.. porque... Depois de alguma transpiração, para que tudo ficasse perfeitamente nivelado, lá ficaram... perfeitas, eu acho! Mas houve quem dissesse: "Isto não ficou nada bem!"     Relaxa, Eme, o ótimo é inimigo do bom... estão DE SONHO. E, finalmente, a Ca tem o seu cantinho terminado. Carlota...

Quem conhece a Quinta do Arneiro? Faz já alguns anos que nós recebemos semanalmente o cabaz da Quinta com as suas frutas e legumes biológicos, da época e sempre frescos. É uma comodidade e uma garantia de que nunca faltam estes produtos cá em casa.     Pois as caixas de cartão, onde vêm os frutos pequenos, também é coisa que reciclamos. Vem sempre tudo tão limpinho e impecável, que nos custa deitar para o lixo estas embalagens tão úteis. Assim sendo, aqui fica uma das utilizações que lhes damos - separar e organizar os materiais dos ateliers das crianças. Neste caso, as fotografias são da minha sala de artes, no colégio onde dou aulas.       À mão, com uma caneta rotuladora, escrevi o que contêm e, agora, acabaram-se as chamadas o tempo todo a pedir isto e aquilo. Os meninos já sabem onde está o que precisam, só têm que ir buscar. ;-) Carlota...