Decoração

Ao ouvir a mensagem de Ano Novo do Presidente da República, não pudemos deixar de nos rever em muitas das suas palavras e expressões. Também para nós 2017 foi um "estranho e contraditório ano, que muito exigiu de nós". Tivemos muitas alegrias, como algumas parcerias conseguidas com marcas de referência (sinal de que somos merecedores da sua confiança), como a concretização de projetos importantes e como o facto de termos sido nomeados para Blog do Ano na categoria de Decoração (sem esquecer todas as mensagens incentivadoras que nos foram chegando). Mas também tivemos um ou outro infortúnio, ainda alguma instabilidade financeira e novidades menos boas a nível profissional, o que colocou à prova a nossa capacidade de resistência. Por isso, estamos felizes por entrar em 2018, na expetativa de ser um ano um pouco mais tranquilo, mais estável e, ao mesmo tempo, com mais trabalho e menos estagnação. Somos malta criativa, somos malta que faz acontecer e somos malta que gosta de partilhar!...

Conseguimos. Não queríamos sair de casa e não saímos. Hoje foi um dia tranquilo, embora com bastantes tarefas de última hora para fazer. Ainda há prendas por embrulhar e um doce por fazer, mas vai acontecer! Entretanto, aqui fica mais um recanto cá de casa. O quarto de hóspedes também teve direito a cabeceira de cama decorada e está, agora, muito mais simpático e acolhedor.   O quarto e o DIY desta estrela (feita por moi même) aqui: https://52.pt/blog/decoracao/ue/ Agora, está na hora de me atirar aos pastéis de batata doce. Let’s cook! Carlota SaveSave SaveSave...

...e já temos a nossa estrela! Ora aqui está um projeto com alguns meses de gaveta, concluído em vésperas de Natal. Que alegria! Depois das nossas almofadas com alma resolvemos atribuir a uma toalha de renda, herança de família, o estatuto de obra de arte, e emoldurá-la. A ideia inicial até era fazermos nós a moldura... até que, passa-se um dia, uma semana, um mês, dois, vários... e nunca houve tempo nem condições para concretizarmos, nós mesmo, este projeto. Por isso, acabámos por mandar fazer. Por vezes, há que assumir que não damos para tudo (e que nem sempre poupamos por sermos nós a fazer)... E foi a melhor decisão que tomámos, pois isto ia dar trabalho! Devo, então, dizer que nos socorremos da 4Art para nos ajudar. E tenho também que dizer que o atendimento é de uma simpatia ímpar, e que a disponibilidade é mais do que muita, e que, habituados a estes trabalhos, nos arranjaram a melhor solução por forma a não ficar demasiado pesado ou dispendioso, e que, às tantas, estava eu mais preocupada com o trabalho que isto ia dar do que eles. Esticada, a toalha/naperon revelou-se bem maior do que parecia inicialmente e, já na moldura, acabou por ficar com quase 1,5m de lado! "Não há cartolina para um fundo com este tamanho? Compra-se tecido." "Estamos muito habituados a este tipo de trabalho." "Não se preocupe, que tudo se faz!" "Não tem carro para levar isto para casa? Cá não ficará, não se preocupe!" ♥ E assim foi. E ela veio. E a rapidez com que o fizeram? Está magníííficaaaaaa! Com o fundo em linho (igual ao sofá) e caixilho preto (como a porta da nossa sala), fica perfeita neste espaço! Agora estamos com outra questão: fica na sala ou vai para o quarto? Também existe uma parede no nosso quarto onde ela ficaria muito bem. E todos as noites, ao deitar, lembrar-me-ia das mãozinhas que fizeram este trabalho, agradecer-lhes-ia e enviaria um abraço bem apertadinho! Por agora, vamos admirá-la na sala mais uns dias... vamos deixar que seja admirada por todos e que esta estrela ilumine o nosso Natal. Depois, logo veremos onde ficará. Esta é uma excelente ideia para...

1 de Dezembro. Para a maioria é dia de espalhar o espírito de Natal pela casa. Por aqui, também estamos a deixar para trás as vibes de outono e a passar para as de inverno (faltam apenas 20 dias). Mas o outono chegou tarde e ainda se fez sentir tão pouco, que nós queremos mais. E, este ano, a nossa casa vai-se engalanar de verde, preto, vermelho e um outonal caramelo. No Natal do ano passado esta casa encheu-se de familiares. As refeições fizeram-se esticando mesas, juntando outras, acrescentando cadeiras, misturando serviços de loiça e usando toalhas de mesa emprestadas. Confuso? Granel? Não, até ficou giro. Quando as coisas se programam com tempo, muito pouco pode dar errado. E é por isso que – já o fiz o ano passado e volto a fazê-lo este ano – comecei por tratar cedo das toalhas de mesa: ver quantas necessitaremos, se são adequadas, se precisam de ser lavadas e engomadas (sempre!)...

Pois é, esta casa tem tantas melhorias para fazer que o orçamento por divisão é limitadíssimo. As obras vão sendo feitas na medida das possibilidades, mês a mês. A última remodelação, um pequeno hall entre a sala, a cozinha e o escritório, coincidiu com setembro, um mês de muitas despesas – o regresso às aulas, a compra de material escolar, a inscrição em atividades,...

Quem nos acompanha no Instagram sabe que esta obra não começou ontem. Mesmo tratando-se de uma área mínima, este espaço não foi tão fácil quanto parece. Da discussão entre "rosa" e "nude" à decoração final, houve que ultrapassar muitas dúvidas e tomar decisões difíceis, mas o resultado aí está: o nosso novo nude e bohemian hall!     Um espaço com quatro paredes, quatro portas e sujeito a quatro pontos de vista diferentes (saindo da cozinha, saindo da sala, da casa de banho ou do escritório). Hoje, deixamo-vos, sobretudo, com as imagens. Nos próximos dias, desenvolveremos todo o processo (que ainda não acabou).       A nossa intenção foi, à semelhança do que aconteceu na sala, misturar um pouco do estilo boémio com o industrial. Este cato já está há mais de 10 anos connosco. Veio de umas férias no sul de Espanha, de Cabo de Gata, um local muito especial para nós e onde gostamos sempre de voltar! Temos, por isso, uma grande afeição a esta peça, que já passou por muito. Neste momento, já nem se mantinha de pé. Demos-lhe um banho, pusemo-lo a secar bem ao sol, abrimo-lo pela base (que se estava a desfazer), retirámos a madeira apodrecida, colocámos uma nova base, "aparámos-lhe os bigodes", cosêmo-lo...