Organização

Quem conhece a Quinta do Arneiro? Faz já alguns anos que nós recebemos semanalmente o cabaz da Quinta com as suas frutas e legumes biológicos, da época e sempre frescos. É uma comodidade e uma garantia de que nunca faltam estes produtos cá em casa.     Pois as caixas de cartão, onde vêm os frutos pequenos, também é coisa que reciclamos. Vem sempre tudo tão limpinho e impecável, que nos custa deitar para o lixo estas embalagens tão úteis. Assim sendo, aqui fica uma das utilizações que lhes damos - separar e organizar os materiais dos ateliers das crianças. Neste caso, as fotografias são da minha sala de artes, no colégio onde dou aulas.       À mão, com uma caneta rotuladora, escrevi o que contêm e, agora, acabaram-se as chamadas o tempo todo a pedir isto e aquilo. Os meninos já sabem onde está o que precisam, só têm que ir buscar. ;-) Carlota...

A organização da nova oficina está a dar que fazer. Como era um espaço vazio, um telheiro que fechámos, tudo tem que ser, agora, pensado e criado de raiz para as reais necessidades que temos tido nos últimos anos. Depois de termos arranjado uma solução para as traves de madeira mais compridas, arranjámos agora duas outras: uma estrutura amovível, com rodízios, para as tábuas mais pequenas, e um sistema de organização de pequenas calhas, varas, varões e varetas, a partir de tubos de cartão.     Tubos como estes podem ser arranjados em gráficas de impressão digital (dos rolos de papel de impressão). Normalmente, vão para o lixo. Os nossos, foram comprados para um projeto e sobraram bastantes....

Começou por ser trabalho e, às tantas, era diversão. Ainda na senda da organização e arrumação dos materiais escolares que serão reutilizados para o ano, houve necessidade de arranjar uma caixa para colocar os riscadores, borrachas, afias e outros pequenos objetos de trabalho.     Como o local de estudo é na sala, e é aqui que mantemos os materiais, tinha que ser uma caixa que se enquadrasse na decoração. Desta vez, não queria gastar dinheiro a comprar mais uma "toda gira", até porque acabamos por nos cansar delas e remetê-las para os arrumos, mais cedo ou mais tarde. Assim, ainda inspirada num trabalho que fiz há pouco tempo, com os meus alunos de artes, a preto e branco, resolvi avançar para esta solução, reciclando caixas de cartão.     Assim, obtivemos uma solução com sentido de humor, infantil (mas não infantiloide!), que pode perfeitamente fazer parte da decoração dos espaços comuns da nossa casa. Fica aqui, como fizemos:   DIY   A tinta preta, é uma tinta de parede de secagem rápida, que tínhamos por cá. Bastou uma demão. Normalmente, não sou fã de decorações com ursinhos, mas este encantou-me...

Pois é, arrumada a oficina, que virou estúdio, há que arrumar agora o telheiro, que entretanto fechámos e virou oficina. Isto é, a antiga oficina é agora o local onde fazemos os trabalhos limpos — pinturas delicadas, arte, maquetes, obras sem cheiros fortes, sem pó ou serradura — e o telheiro, que era a entrada para o atelier, foi fechado de um dos lados com parede, pelo Eme (mais uma das suas obras corajosas) e, do outro lado, com uma porta de garagem, e, aqui, fazemos as obras maiores, como se estivéssemos na rua, mas sem estar dependentes das condições atmosféricas. Devo dizer, que já esculpimos em esferovite todo um tronco de árvore (gigante!) dentro do atelier...