Ora, como resolvemos dedicar esta semana às plantas e ao jardim, resolvi partilhar o que me inspira e me faz sonhar. Desta vez, não falo no plural, não incluo o Eme nem a Ca neste artigo, pois estas são mesmo as minhas opções. Espero que vos inspirem também! Começo pelo meu programa favorito do momento: Silence, ça pousse! Costumo assistir às temporadas mais antigas no canal MCS LifeStyle, logo de manhã, enquanto vou despertando para a vida lá fora, mas já percebi que no site do programa estão os episódios mais recentes, embora sem tradução e legendagem...

Um destes dias, as nossas batatas doces, esquecidas no cesto das batatas, começaram a grelar. Achei a folha tão verdinha, tão bonita — em forma de ♥ — que coloquei a batata em água e deixei que continuasse a crescer.  Entretanto, levei outra para a escola, onde dou aulas de artes a crianças, e acompanhámos o seu crescimento à medida que a íamos desenhando. A alegria dos meus meninos a cada semana que passava e as hastes aumentavam!!! As aulas acabaram e tive que trazer a nossa plantinha para o atelier. Arranjei o sítio perfeito para ela e adoro tê-la ao meu lado!   Durante...

As echeverias preferem ser regadas por cima e até gostam daquela gotinha de água que fica retida no centro das folhas, por isso, também são conhecidas por Rosa Pérola. A terra húmida apodrece as suas raízes e causa o aparecimento de doenças. Mas, atenção, não devemos regar na hora de maior calor, pois as gotas de água nas folhas aquecem demais e "cozem" a planta. É por esta razão que estas que temos no jardim estão tão viçosas e a dar flor...

Temos dois gatos, o Luke e a Mifi - Luke, o terrível e Mifi, a princesa. O Luke é o mais novinho, tem apenas 9 meses e é um louco, muito asneirento. Uma das suas muitas manias, desde sempre, é meter as patas na tigela da água e entorná-la pela cozinha fora; outra, é puxar para si a tigela da comida, afastando-a da Mifi (pobre princesa!). Por isso, tivémos que arranjar logo uma solução que o impedisse de andar com as taças pela cozinha...

Começou por ser trabalho e, às tantas, era diversão. Ainda na senda da organização e arrumação dos materiais escolares que serão reutilizados para o ano, houve necessidade de arranjar uma caixa para colocar os riscadores, borrachas, afias e outros pequenos objetos de trabalho.     Como o local de estudo é na sala, e é aqui que mantemos os materiais, tinha que ser uma caixa que se enquadrasse na decoração. Desta vez, não queria gastar dinheiro a comprar mais uma "toda gira", até porque acabamos por nos cansar delas e remetê-las para os arrumos, mais cedo ou mais tarde. Assim, ainda inspirada num trabalho que fiz há pouco...

Pois é, arrumada a oficina, que virou estúdio, há que arrumar agora o telheiro, que entretanto fechámos e virou oficina. Isto é, a antiga oficina é agora o local onde fazemos os trabalhos limpos — pinturas delicadas, arte, maquetes, obras sem cheiros fortes, sem pó ou serradura — e o telheiro, que era a entrada para o atelier, foi fechado de um dos lados com parede, pelo Eme (mais uma das suas obras corajosas) e, do outro lado, com uma porta de garagem, e, aqui, fazemos as obras maiores, como se estivéssemos na rua, mas sem estar dependentes das condições atmosféricas. Devo dizer, que...