DIY

E aqui está ela, a nossa nova bancada móvel! Se tudo correr conforme previsto, ou seja, bem, daqui para a frente aparecerá muitas vezes nos nossos vídeos e fotografias. Com rodízios de um lado para a deslocarmos mais facilmente e pés fixos do outro para lhe dar mais estabilidade e servirem como travão, vai da oficina para a rua com a maior das facilidades. Os rodízios são uns "todo o terreno" que nos serviram para outro trabalho e que agora reaproveitámos, já que neste empedrado montanhoso que rodeia a nossa casa — a Cordilheira Cinquenta e Dois — só com uns rodízios assim! Tem ainda uma prateleira inferior e uma extensão com dez tomadas e interruptor. Vamos ver que maravilhas faremos nós com ela, agora! Pelo menos não haverá apelos e chamamentos para ajudar a transportar a mesa daqui para ali e dali para aqui. ;-) Querem ver a sua execução? Temos vídeo no Youtube. Se gostarem, estejam à vontade para fazer igual...

O macramé voltou a entrar nas nossas casas e os vasos suspensos também! Adoro esta forma de trabalhar o espaço em altura e a leveza que lhe conferimos, deste modo. Já não é a primeira vez que opto por esta solução e os primeiros vasos que suspendi estão aqui. É a coisa mais fácil do mundo! Sim, e isto inclui furar o teto e colocar um camarão. Também se podem suspender num varão de cortinado, numa prateleira, numa pérgola ou árvore,...

Li algures que o Feng Shui recomenda plantas naturais no quarto de banho e, em especial, junto à janela, mas não foi por isso que me dediquei hoje a esta tarefa. Já há muito tempo que olhava para este canto do nosso "dois metros quadrados" e imaginava ali uma planta suspensa (já que todo o espaço de bancada nos faz falta), por isso fiquei feliz por saber que, ainda por cima, esta minha ideia não choca com os princípios do Feng Shui.     Esta divisão, revestida a pedra cinzenta — que continuo a adorar, 10 anos depois — estava mesmo a precisar de algo mais orgânico, mais vivo. E sim, fui eu que peguei no berbequim, num camarão e respetiva bucha e pendurei o vaso a partir do teto! Depois de fazer este belo trabalho, pensei: "Mas porque raio achava eu que não era capaz de usar o berbequim e fazer um furo numa parede?". Hoje, sinto-me uma mulher mais independente!...

Nunca tinha pensado nisto, mas faz sentido: para que quartos de banho pequenos pareçam maiores devemos decorá-los num tom apenas. E aqui fica uma sugestão para reciclagem de frascos de conservas para um quarto de banho em tons cinza, uma versão muito sóbria e cheia de estilo.   Recipientes para guardar pequenos objetos na casa de banho Material: Tinta em spray Frascos de vidros variados (com tampa, lavados e secos) Fita adesiva de pintura (a nossa favorita: a azul, da Tesa)   Isola-se a área que ficará transparente com as fitas de pintura (a azul, da Tesa, faz um isolamento perfeito. Usamo-la para delinear a fronteira; a outra, mais barata e mais larga, usamos no resto do frasco).   Pinta-se os frascos e as tampas.     Deixa-se secar muito bem – algumas horas – e, depois, retira-se as fitas adesivas. E pronto, agora já podem guardar todos os objetos pessoais no quarto de banho - algodão, discos faciais, elásticos e ganchinhos, cotonetes,...

Quantos objetos temos em casa – há anos! – dos quais já nem nos lembramos, que desapareceram do nosso ângulo de visão, que deixaram de ser valorizados, passando a fazer parte da "tralha"? Hoje recuperámos alguns deles, umas árvores de modelismo, que usámos numa maquete para um cliente, e um Trabant em miniatura, que trouxemos de uma viagem a Berlim. Que alegria! O carro com o pinheiro em cima é uma imagem que tem aparecido recorrentemente no Pinterest mas, como contadora de histórias, achei que deveria acrescentar "outra página" e recriar também um bosque de inverno. Não só achei a ideia o máximo como achei que era a oportunidade de dignificar estes objetos esquecidos. Depois, foi só arranjar uma placa de madeira, lixar as arestas e fixar os pinheiros com um pouco de bostik. Para os proteger usei duas campânulas compradas na Area, no verão (que normalmente estão ao serviço das obras de arte da nossa Ca). Foram uma excelente compra pois têm sempre função nesta casa!     E quem não tem um carrinho de criança perdido por casa? Das nossas crianças...

Aproveitando o facto de uma das nossas lâmpadas fluorescentes se ter fundido, resolvemos fazer a troca, mas não por outra igual, por uma lâmpada LED. Não sabíamos bem como fazê-lo, mas depois de alguma pesquisa, fez-se luz! Vamos partilhar o que aprendemos por forma a poupar algum tempo e neurónios a pretensos "eletricistas", como nós. Neste caso é para uma de 120cm de 36W, mas o procedimento é o mesmo para qualquer tamanho.   A primeira coisa a fazer é, obviamente, desligar o quadro eléctrico ou, pelo menos, o disjuntor referente às luzes do teto.   Retirar a grelha.   Rodar 1/4 de volta para desencaixar a lâmpada do suporte.   Desligar o cabo de alimentação da caixa de junção.   É aconselhável tirar a luminária do teto para trabalhar com maior conforto e, assim, evitar torcicolos, dores nos braços e nas costas.   Retirar os arrancadores (rodando ligeiramente no sentido contrário aos ponteiros do relógio), balastros e, neste caso, o condensador da caixa de junção.   Isto foi o que nos sobrou, porque não é necessário arrancadores nem balastros para as lâmpadas LED, já que estas se ligam directamente à corrente, como vamos verificar.   Retiram-se os suportes dos apoios laterais, empurrando para o lado e depois para fora.   Desligam-se os cabos eléctricos dos apoios das lâmpadas, pressionando com um prego, por exemplo, ao lado do cabo para abrir a mola que o prende, puxando-o de seguida.   Depois de tirar todos os cabos que ligam aos suportes, toca a ligar tudo novamente.   Começamos por ligar um borne ao do lado através de um cabo de cerca de 5cm.   Com um cabo um pouco maior, faz-se uma saída que irá ligar a um borne do suporte da segunda lâmpada. Isto, porque esta luminária tem duas lâmpadas.   Neste segundo suporte ligam-se os dois bornes com um cabo de 5cm, tal como se fez com o outro. E ligam-se os dois suportes com o cabo maior.   De seguida, faz-se a ligação de um dos suportes para a caixa de junção, que posteriormente irá ligar à alimentação no teto. Assim, temos pronto um dos lados da luminária, que neste caso é o neutro.   Do outro lado da luminária iremos proceder exactamente da mesma forma, utilizando um cabo de cor preta que representa a fase e ligamos ao outro borne da caixa de junção.   Desta forma, temos...